Como atuamos

O Instituto desenvolve pesquisa, diagnósticos, oficinas, debates, seminários, intercâmbios, mostras e publicações.

A atuação d´O Instituto se dá através da participação de pesquisadores, ativistas, e profissionais nas áreas de ciências sociais, educação, artes, mídia, arquitetura, urbanismo, meio ambiente, economia, direito e tecnologia, trabalhando de forma integrada e colaborativa em redes ao redor do mundo.

Nossas principais frentes de atuação são Cultura e Tecnologia e Estudos da Cidade.

Cultura e Tecnologia

Essa linha de atuação d’O Instituto trata de questões estratégicas de produção e circulação de conhecimento que estão gerando novas linguagens, novos produtores e consumidores em cena e, conseqüentemente, criando novos próprios modelos de negócios e estratégias de sustentabilidade.

A proposta é identificar a inovação científica e tecnológica como valor estratégico para a cultura, fomentar a reflexão e estimular o acesso à cultura e ao conhecimento através dos meios digitais. Dentro da Linha Cultura e Tecnologia são realizados estudos, pesquisas, seminários, palestras, debates e workshops, procurando sistematizar o conhecimento e as práticas culturais emergentes
como base para o incentivo à criação, para o estabelecimento de formas mais efetivas de circulação do pensamento e dos bens culturais e para a formulação de políticas públicas.

Os projetos dessa linha adotam uma metodologia em que a cultura e a educação estão interligadas. Nessa perspectiva, a construção de conhecimento através da troca de saberes entre professores e alunos é a via privilegiada para a formação de  indivíduos aptos a serem produtores de conteúdos culturais próprios, capazes de construir um futuro economicamente sustentável, em que prevaleçam atitudes responsáveis e solidárias nas relações da vida coletiva.

Estudos da Cidade

Seguramente, não é mais possível pensar as manifestações estéticas e culturais hoje sem articulá-las às questões básicas do desenvolvimento econômico social. Por toda a parte, emergem novos terrritórios culturais e disseminam-se novas dinâmicas de criação e intervenção que rapidamente se articulam como respostas e interpelações aos efeitos contraditórios dos processos neoliberais de globalização e transnacionalização da cultura e da informação.

Neste quadro, a evidência sinaliza a ocorrência de uma significativa alteração na função social da arte e a entrada definitiva da produção cultural no mercado e na economia, tornando-se elemento-chave nos processos de afirmação da cidadania, de geração de emprego e inclusão social.