Seminário Cidades: Futuros Possíveis 2010

É hora de parar para pensar no futuro de nossas cidades. E foi isso que fizemos no dia 1º de setembro, na Casa de Ciência da UFRJ, em Botafogo. O seminário, organizado por O Instituto, em parceria como Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec) da Universidade Cândido Mendes, o Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) do Forum de Ciência e cultura da UFRJ e apoio da Globo Universidade e da Souza Cruz, reuniu especialistas em diversas áreas, de urbanismo à segurança pública, de políticas culturais a inclusão digital. As duas mesas, de manhã e à tarde, trouxeram propostas práticas para mudanças de curto e longo prazo.

De manhã, participaram da conversa Guy Saez, diretor do laboratório Pacte (Politiques publiques, Action politique, Territoires) na Université Pierre Mendès France e diretor do Observatoire de Politiques Culturelles, ambosem Grenoble (FR); Mário Brandão, fundador e presidente da Associação dos Centros de Inclusão Digital (ABCID), as lan houses; e André Lemos, professor e Pesquisador da Universidade Federal da Bahia. O debate gerou em torno do desafio das grandes cidades em lidar com a necessidade de políticas culturais focadas na diversidade e com as novas tecnologias.

À tarde, participaram do debate Sergio Magalhães (diretor do Instituto dos Arquitetos do Brasil), o coordenador do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Ippur) Pedro Abramo, o ex-comandante do Bope Rodrigo Pimentel e o diretor do Observatório de Favelas (e hoje membro da equipe da Secretaria de Direitos Humanos do governo estadual) Jailson de Souza e Silva. Em pauta, o futuro do Rio de Janeiro: os caminhos possíveis para a segurança e o aproveito de eventos públicos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, para melhorar as condições de vida dos moradores.

Leia a cobertura das mesas nas páginas abaixo:

Cidades: futuros possíveis (manhã)

Cidades: futuros possíveis (tarde)