Cidades, Futuros Possíveis

A terceira edição do seminário internacional Cidades – Futuros Possíveis reúne um time de especialistas para discutir a realidade urbana dos países latino-americanos: de geopolítica a sustentabilidade e racionalidade urbanística.

Com a palestra As villas miseria (favelas) no cinema argentino: um elefante oculto atrás de um vidro, professor da Universidade de Buenos Aires, Gonzalo Aguilar, fez a abertura do evento na quinta-feira, 16, na Casa da Ciência. O autor de Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista fez uma comparação da villa miseria com a favela carioca.  À tarde, Bete França (SEHAB/SP), o arquiteto e urbanista Manoel Ribeiro, Roberto Segre (FAU/UFRJ) e Tania Fernandes (COC/FIOCRUZ), mediados por Cristóvão Duarte, discutiram Convívio social e racionalidade urbanística.

Na sexta-feira, 17, as metrópoles como realidades paradoxais entraram em discussão na mesa sobre Geopolíticas da cidade, com participação de Maria Alice Rezende de Carvalho (PUC RJ), Luiz Alberto Oliveira ( Museu do Amanhã) e Augusto Ivan de Freitas Pinheiro (PUC RJ), com mediação de Mariana Cavalcanti (CPDOC/FGV). A última mesa foi destinada ao tema Sustentabilidade e estilos de vida, da qual participaram Rogério Proença Leite (UFS), Henri Acselrad (IPPUR/UFRJ) e  Cristóvão Duarte (UFRJ). A debatedora foi Ilana Strozenberg (UFRJ e O Instituto).

Iniciada em 2010, a série de seminários internacionais Cidades, Futuros Possíveis tem como objetivo central aprofundar o debate acerca das grandes cidades contemporâneas,  no sentido de apontar caminhos para  superar suas graves contradições e abrir perspectivas para a construção de contextos urbanos mais integrados e democráticos.